Terça-feira, 22 de Abril de 2008

O Portugal futuro

O Portugal futuro é um país
aonde o puro pássaro é possível
e sobre o leito negro do asfalto da estrada
as profundas crianças desenharão a giz
esse peixe da infância que vem na enxurrada
a me parece que se chama sável
Mas desenham elas o que desenharem
é essa a forma do meu país
e chamem elas o que chamarem
portugal será e lá serei feliz
Poderá ser pequeno como este
ter a oeste o mar e a espanha a leste
tudo nele será novo desde os ramos à raiz
À sombra dos plátanos as crianças dançarão
e na avenida que houver à beira-mar
pode o tempo mudar será verão
Gostaria de ouvir as horas do relógio da matriz
mas isso era o passado e podia ser duro
edificar sobre ele o portugal futuro



BELO, Ruy; País Possível (1973)


publicado por canecaspartidas às 20:03
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 17 de Abril de 2008

A um estrangeiro

Isto de ser poeta e português
Não é tão simples como imaginais.
Vede em Camões, Antero e Pascoaes
O que essa estrela dúplice lhes fez.

É uma f'rida que não sara mais
A que fizera luz que alguma vez
Aureolou as frontes desses três
E doutros, cujas vidas ignorais:

Gomes Leal, Cesário Verde... tantos!
Se fossem doutro povo, doutra raça,
Seriam geniais, - mas sem desgraça.

Os poetas, aqui, são como os Santos:
Não conhecem os frutos dos seus prantos
E a glória é póstuma ilusão que passa.



QUEIROZ, Carlos; Epístola aos Vindouros e Outros Poemas
publicado por canecaspartidas às 20:40
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 14 de Abril de 2008

O guardador de rebanhos

XX

O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia,
Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia
Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia.

O Tejo tem grandes navios
E navega nele ainda,
Para aqueles que vêem em tudo o que lá não está,
A memória das naus.

O Tejo desce de Espanha
E o Tejo entra no mar em Portugal.
Toda a gente sabe isso.

Mas poucos sabem qual é o rio da minha aldeia

E para onde ele vai

E donde ele vem.

E por isso, porque pertence a menos gente,

É mais livre e maior o rio da minha aldeia.


Pelo Tejo vai-se para o Mundo.

Para além do Tejo há a América

E a fortuna daqueles que a encontram.

Ninguém nunca pensou no que há para além

Do rio da minha aldeia.


O rio da minha aldeia não faz pensar em nada.

Quem está ao pé dele está só ao pé dele.


 


Alberto Caeiro, in Poemas, Ed. Ática


publicado por canecaspartidas às 21:24
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 11 de Abril de 2008

O guardador de rebanhos

XXIV
 
O que nós vemos das coisas são as coisas.
Porque veríamos nós uma coisa se houvesse outra?
Porque é que ver e ouvir seria iludirmo-nos
Se ver e ouvir são ver e ouvir?
 
O essencial é saber ver,
Saber ver sem estar a pensar,
Saber ver quando se vê,
E nem pensar quando se vê,
Nem ver quando se pensa.
 
Mas isso (triste de nós que trazemos a alma vestida!),
Isso exige um estudo profundo,
Uma aprendizagem de desaprender
E uma sequestração na liberdade daquele convento
De que os poetas dizem que as estrelas são as freiras eternas
E as flores as penitentes convictas de um só dia,
Mas onde afinal as estrelas não são senão estrelas
Nem as flores senão flores,
Sendo por isso que lhes chamamos estrelas e flores.
 
Alberto Caeiro, in Poemas, Ed. Ática
publicado por canecaspartidas às 19:33
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 10 de Abril de 2008

O guardador de rebanhos

XXXIX

O mistério das coisas, onde está ele?

Onde está ele que não aparece
Pelo menos a mostrar-nos que é mistério?
Que sabe o rio e que sabe a árvore
E eu, que não sou mais do que eles, que sei disso?
Sempre que olho para as coisas e penso no que os homens pensam delas,
Rio como um regato que soa fresco numa pedra.

Porque o único sentido oculto das coisas
É elas não terem sentido oculto nenhum,
É mais estranho do que todas as estranhezas
E do que os sonhos de todos os poetas
E os pensamentos de todos os filósofos,
Que as coisas sejam realmente o que parecem ser
E não haja nada que compreender.

sim, eis o que os meus sentidos aprenderam sozinhos:-
As coisas não têm significação: têm existência.
As coisas são o único sentido oculto das coisas.


Alberto Caeiro, in Poemas, Ed. Ática
publicado por canecaspartidas às 20:48
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 7 de Abril de 2008

Dia Mundial Saúde

Que tenha nascido em Londres,
Paris, Rússia ou Japão
Toda a gente tem apenas
Um e um só coração.
Porque no mundo inteiro
Acredita e ouve bem
Com mais de um coração
Nunca existiu ninguém.
No corpo de todos nós
Eu sou único e sozinho
Portanto, tratem-me bem
Com juízo, com carinho!
Álcool e gorduras
Açúcar e sal
Não me dêem disso
Porque me faz mal.
Quero água da boa
E pouco café
Gosto de ar puro
E de andar a pé.
Fumo? Nem pensar
Pois fico doente
Vegetais e fruta
Quero sempre, sempre.
A droga é flagelo
Que me faz sofrer
Tenham dó de mim
Não queiram morrer!
Sê alegre, brincalhão
Feliz sem adoecer
Se seguires os meus conselhos
Terás saúde a valer.
 
Isabel Lamas
 
Conselhos do Instituo Nacional de Cardiologia Preventiva de Lisboa
publicado por canecaspartidas às 21:58
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 3 de Abril de 2008

O guardador de rebanhos

XXVIII


Li hoje quase duas páginas

Do livro dum poeta místico,

E ri como quem tem chorado muito.


Os poetas místicos são filósofos doentes,

E  os filósofos são homens doidos.


Porque os poetas místicos dizem que as flores sentem

E dizem que as pedras têm alma

E que os rios têm êxtases ao luar.


Mas as flores, se sentissem, não eram flores,

Eram gente;

E se as pedras tivessem alma, eram coisas vivas, não eram pedras;

E se os rios tivessem êxtases ao luar,

Os rios seriam homens doentes.


É preciso não saber o que são flores e pedras e rios

Para falar dos sentimentos deles.

Falar da alma das pedras, das flores, dos rios,

É falar de si próprio e dos seus falsos pensamentos.

Graças a Deus que as pedras são só pedras,

E que os rios não são senão rios,

E que as flores são apenas flores.


Por mim, escrevo a prosa dos meus versos

E fico contente,

Porque sei que compreendo a Natureza por fora;

E não a compreendo por dentro;

Senão não era Natureza.





Alberto Caeiro, in Poemas, Ed. Ática


publicado por canecaspartidas às 19:21
link do post | comentar | favorito
Domingo, 30 de Março de 2008

O guardador de rebanhos

III
 
Ao entardecer, debruçado pela janela,
E sabendo de soslaio que há campos em frente,
Leio até me arderem os olhos
O livro de Cesário Verde.
 
Que pena que tenho dele! Ele era um camponês
Que andava preso em liberdade pela cidade.
Mas o modo como olhava para as casas,
E o modo como reparava nas ruas,
E a maneira como dava pelas coisas,
É o de quem olha para árvores,
E de quem desce os olhos pela estrada por onde vai andando
E anda a reparar nas flores que há pelos campos…
 
Por isso ele nunca tinha aquela grande tristeza
Que ele nunca disse bem que tinha,
Mas andava na cidade como quem anda no campo
E triste como esmagar flores em livros
E pôr plantas em jarros…
 
Alberto Caeiro, in Poemas, Ed. Ática
publicado por canecaspartidas às 15:36
link do post | comentar | favorito
Sábado, 29 de Março de 2008

Homenagem à nossa vila...

A NOSSA CANTIGA


Caneças dos aguadeiros

E das lindas lavadeiras,

Nós já fomos os primeiros

Cá nas nossas brincadeiras!


Caneças, os teus viveiros

Com os hortos, à mistura,

Mostram-nos lindos canteiros

trabalhados, com ternura!


Caneças, tuas cantigas

São cantadas com amor,

Como quando as raparigas

Vão colher uma flor!


Caneças, sempre a viver

Uma fonte, em cada canto,

Continuas a crescer

Nunca perdes o encanto!


Caneças, linda e ladina,

Como tu não há igual,

És antiga, mas menina

Cá no nosso Portugal!




Rosa da Soledade Couto

publicado por canecaspartidas às 13:55
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 26 de Março de 2008

O guardador de rebanhos

II

 

Photobucket

 

O meu olhar é nítido como um girassol.

Tenho o costume de andar pelas estradas

Olhando para a direita e para a esquerda,

E de vez em quando olhando para trás...

E o que vejo  a cada momento
É  aquilo que nunca antes tinha visto,

E eu sei dar por isso muito bem...

Sei ter o pasmo essencial

Que tem uma criança se, ao nascer,

Reparasse que nascera deveras...

Sinto-me nascido a cada momento

Para a eterna novidade do Mundo...

 


Creio no mundo como no malmequer,

Porque o vejo. Mas não penso nele

Porque pensar é não compreender...

O Mundo não se fez para pensarmos nele

( Pensar é estar doente dos olhos )

Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo...


 

 

Eu não tenho filosofia: tenho sentidos...

Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é,

Mas porque a amo, e amo-a por isso,

Porque quem ama nunca sabe o que ama

Nem sabe por que ama, nem o que é amar...

Amar é a eterna inocência,

E a única inocência é não pensar...




Alberto Caeiro, in Poemas, Ed. Ática



publicado por canecaspartidas às 17:00
link do post | comentar | favorito

.posts recentes

. O Portugal futuro

. A um estrangeiro

. O guardador de rebanhos

. O guardador de rebanhos

. O guardador de rebanhos

. Dia Mundial Saúde

. O guardador de rebanhos

. O guardador de rebanhos

. Homenagem à nossa vila...

. O guardador de rebanhos

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.Blogue das Canecas Partidas

.Blogue das Canecas Noticiárias

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

13
15
16
18
19

20
21
23
24
25
26

27
28
29
30


.mais sobre mim

.pesquisar

 

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds