Sexta-feira, 11 de Abril de 2008

O guardador de rebanhos

XXIV
 
O que nós vemos das coisas são as coisas.
Porque veríamos nós uma coisa se houvesse outra?
Porque é que ver e ouvir seria iludirmo-nos
Se ver e ouvir são ver e ouvir?
 
O essencial é saber ver,
Saber ver sem estar a pensar,
Saber ver quando se vê,
E nem pensar quando se vê,
Nem ver quando se pensa.
 
Mas isso (triste de nós que trazemos a alma vestida!),
Isso exige um estudo profundo,
Uma aprendizagem de desaprender
E uma sequestração na liberdade daquele convento
De que os poetas dizem que as estrelas são as freiras eternas
E as flores as penitentes convictas de um só dia,
Mas onde afinal as estrelas não são senão estrelas
Nem as flores senão flores,
Sendo por isso que lhes chamamos estrelas e flores.
 
Alberto Caeiro, in Poemas, Ed. Ática
publicado por canecaspartidas às 19:33
link do post | comentar | favorito

.posts recentes

. O Portugal futuro

. A um estrangeiro

. O guardador de rebanhos

. O guardador de rebanhos

. O guardador de rebanhos

. Dia Mundial Saúde

. O guardador de rebanhos

. O guardador de rebanhos

. Homenagem à nossa vila...

. O guardador de rebanhos

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

13
15
16
18
19

20
21
23
24
25
26

27
28
29
30


.mais sobre mim

.pesquisar

 

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds