Segunda-feira, 14 de Abril de 2008

O guardador de rebanhos

XX

O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia,
Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia
Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia.

O Tejo tem grandes navios
E navega nele ainda,
Para aqueles que vêem em tudo o que lá não está,
A memória das naus.

O Tejo desce de Espanha
E o Tejo entra no mar em Portugal.
Toda a gente sabe isso.

Mas poucos sabem qual é o rio da minha aldeia

E para onde ele vai

E donde ele vem.

E por isso, porque pertence a menos gente,

É mais livre e maior o rio da minha aldeia.


Pelo Tejo vai-se para o Mundo.

Para além do Tejo há a América

E a fortuna daqueles que a encontram.

Ninguém nunca pensou no que há para além

Do rio da minha aldeia.


O rio da minha aldeia não faz pensar em nada.

Quem está ao pé dele está só ao pé dele.


 


Alberto Caeiro, in Poemas, Ed. Ática


publicado por canecaspartidas às 21:24
link do post | comentar | favorito

.posts recentes

. O Portugal futuro

. A um estrangeiro

. O guardador de rebanhos

. O guardador de rebanhos

. O guardador de rebanhos

. Dia Mundial Saúde

. O guardador de rebanhos

. O guardador de rebanhos

. Homenagem à nossa vila...

. O guardador de rebanhos

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

13
15
16
18
19

20
21
23
24
25
26

27
28
29
30


.mais sobre mim

.pesquisar

 

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds